Logo da Klivo

20/09/2022

Colesterol alto e sedentarismo: você sabe qual a relação?

Entenda como o sedentarismo pode aumentar o risco de desenvolver colesterol alto e saiba como cuidar da sua saúde

colesterol alto

Colesterol alto e sedentarismo: você sabe qual a relação?

Entenda como a falta de atividades físicas e hábitos saudáveis podem agravar um quadro de colesterol alto.

O que você vai ler neste artigo

Entendendo o colesterol

Estilo de vida e fatores genéticos

Relação entre sedentarismo e colesterol alto

Dicas para se manter mais ativo

Importância da atividade física

Você provavelmente já ouviu falar que o sedentarismo é um dos principais inimigos da nossa saúde e bem-estar, sendo um dos responsáveis pelo surgimento e/ou agravamento de diversas doenças. Mas, você sabe quais os riscos de uma vida sedentária e como ela pode influenciar em um quadro de colesterol alto?

Neste artigo, nós vamos te ajudar a entender a relação entre essa doença crônica e o sedentarismo. Continue lendo e  saiba como garantir os cuidados com a sua saúde!

Entendendo o colesterol

Como vimos em nosso artigo "Afinal, o que é dislipidemia?", essa condição crônica, mais conhecida como colesterol alto, é caracterizada pela elevação de lipídios (gorduras) no sangue, sendo representada pela presença de duas gorduras: o colesterol e os triglicerídeos.

Mas se engana quem acredita que todo colesterol faz mal para a saúde. Na realidade, ele é um composto orgânico complexo vital para o funcionamento do organismo. Assim, o que vai influenciar se o colesterol é ou não saudável é o seu meio de transporte, que são as lipoproteínas. Elas podem ser de alta ou baixa densidade e, dependendo da sua composição, apresentam funções diferentes.

O colesterol contido nas lipoproteínas de baixa densidade é chamado de LDL (colesterol ruim). Ele transporta o colesterol do fígado até às células dos tecidos e favorece o seu acúmulo nas paredes internas das artérias, levando à formação de placas compostas por colesterol, gordura e cálcio, que são as placas ateroscleróticas. Elas podem obstruir as artérias e diminuir o fluxo de sangue, aumentando o risco de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC)

Já o colesterol presente nas lipoproteínas de alta densidade é o HDL (colesterol bom). Ele é capaz de absorver os cristais de colesterol que são depositados nas artérias, removendo-os e transportando-os de volta ao fígado onde serão eliminados. Assim, uma quantidade elevada dessa lipoproteína pode funcionar como um fator de proteção, ajudando a reduzir o risco de doenças cardiovasculares

Se quiser entender mais sobre a diferença do colesterol bom e ruim, confira o nosso artigo

Estilo de vida e fatores genéticos

Existem dois tipos de dislipidemia. A primária, que é aquela que ocorre por causa genética, ou seja, devido ao histórico familiar o indivíduo pode ter uma predisposição a desenvolver essa condição. E a secundária, que é ocasionada devido aos hábitos de vida, doenças pré-existentes (obesidade, diabetes, tabagismo, etilismo) ou pelo uso de medicamentos. É possível ainda que uma pessoa desenvolva os dois tipos da condição, devido a fatores hereditários (genética) e ao estilo de vida. 

Relação entre sedentarismo e colesterol alto

A falta de atividades físicas e exercícios regulares, principalmente quando aliada a maus hábitos alimentares, pode afetar o metabolismo do corpo e, assim, ocasionar problemas para processar gorduras e açúcares. Além disso, o sedentarismo também pode:

Dificultar a queima de calorias, contribuindo para o risco de aumento de peso;  

Afetar o sistema imunológico;

Ocasionar má circulação sanguínea e retenção de líquidos;

Causar desequilíbrio hormonal.

Ou seja, manter um estilo de vida saudável, com a prática regular de atividade física moderada, é fundamental quando se fala em prevenir a dislipidemia e outras doenças, já que esse ato contribui para a prevenção da formação de placas de gordura, melhora da condição cardiovascular, diminuição da obesidade, pressão arterial e nível de estresse.  

Dicas para se manter mais ativo

Agora que você já entendeu como o sedentarismo pode prejudicar a sua saúde e aumentar o risco de desenvolver colesterol alto, acompanhe nossas dicas para melhorar a sua qualidade de vida:

1) Faça pequenas caminhadas

Além de fazer caminhadas em parques ou outros lugares apropriados para esse tipo de exercício, você também pode adequar essa prática a sua rotina optando, por exemplo, por realizar suas reuniões de trabalho em pé, ao invés de permanecer sentado. Passear com seu pet e deixar o carro na garagem para fazer pequenos percursos a pé, também é uma excelente alternativa. 

2) Troque o elevador pelas escadas

Que tal queimar as calorias de forma prática, subindo e descendo escadas? Esse hábito pode te ajudar a manter um peso saudável e, ainda contribui para o fortalecimento de ossos, músculos e articulações. 

3) Evite ficar sentado por longos períodos

Se você passa boa parte do seu dia sentado, seja trabalhando ou em momentos de lazer, é importante que você tente se levantar pelo menos a cada 20 minutos. Aproveite esse tempo para beber água ou conversar com seus colegas e familiares, se estiver de home office. 

Quer saber mais sobre como manter sua saúde e qualidade de vida? Leia nosso artigo “Alimentos que ajudam a controlar a dislipidemia”.

Importância da atividade física

Agora que você já sabe quais são os malefícios do sedentarismo, vamos entender mais a fundo como a atividade física contribui para melhorar a saúde.

De acordo com o artigo publicado pelo Hospital do Coração, realizar exercícios físicos de forma regular, como musculação, traz inúmeros benefícios, como

Protege o coração;

Enrijece os músculos;

Aumenta o condicionamento físico. 

Além disso, os exercícios também estão associados ao controle do colesterol. Isso porque eles ajudam a diminuir os níveis de LDL (colesterol ruim) e elevam o HDL (colesterol bom). 

Essa alteração nos índices de colesterol provocada pela atividade física acontece porque, durante o exercício, há um aumento da circulação sanguínea, ativando o fluxo de sangue nas veias e artérias. Esse processo ajuda a evitar que tanto o LDL, como os triglicerídeos ou as gorduras se instalem e se acumulem nas paredes das artérias. Além disso, os exercícios também têm o papel fundamental na alteração da produção de enzimas que controlam os níveis de colesterol no sangue. 

É necessário lembrar, no entanto, que não há um exercício que seja melhor que outro e que essa relação depende, em primeiro lugar, de quem vai praticar. Isso quer dizer que é preciso levar em conta os gostos do indivíduo, optando por atividades que possam gerar prazer. Além disso, antes de iniciar qualquer prática física, é preciso buscar a orientação do seu médico de confiança, que vai avaliar quais atividades você pode realizar, de acordo com o seu quadro clínico. 

Vale ressaltar também que a dislipidemia é uma condição silenciosa, ou seja, dificilmente apresenta sintomas. Sendo assim, é fundamental fazer o acompanhamento médico e realizar exames de sangue periodicamente, para que o seu médico de referência possa acompanhar os valores do seu colesterol e suas frações e do seu triglicérides.

Você leu o nosso texto e agora quer ter um acompanhamento especial do seu colesterol? Faça o monitoramento da sua saúde com uma equipe multidisciplinar capaz de realizar um atendimento personalizado. Conheça a Klivo!